Depoimentos

« Voltar

“Queremos continuar aprendendo, após os 65 anos”

Jardineiros capacitados em 2013 pelo Centro de Formação Profissional e Educação Ambiental (Cefopea), os alunos Maria do Socorro Miguel e Ternobu Okuno escreveram sobre o aprendizado durante a fase mais madura da vida, à luz do relacionamento intergeracional com os mais jovens. Maria do Socorro e Ternobu participaram do Curso de Jardinagem, que é parte do Projeto Cidadania Verde, em parceria com o Instituto Cyrela.

“O Curso de Jardinagem, para nós, foi gratificante pois nos deu a oportunidade de aprender, observar a natureza e saber contribuir para um ambiente saudável.

Outro aspecto que chamou a nossa atenção foi a convivência com os jovens, que tem muito a nos ensinar, enquanto também passamos os conhecimentos e experiências adquirimos em nossa vida.

Relacionamos alguns itens para uma boa convivência entre jovens e idosos:

  1. Respeitar os jovens para ser respeitados;
  2. Ter paciência em ouvi-los e tentar mostrar os caminhos para atingir a meta desejada;
  3. Desenvolver o espírito do amor ao próximo;
  4. Ser educado e respeitar todas as pessoas que fazem parte da comunidade;
  5. Aprender a desenvolver o espírito de solidariedade com as pessoas que necessitam;

6. Praticar o bem, sem cobranças, faz muito bem para o nosso desenvolvimento mental e espiritual”.

 

Formatura da primeira turma capacitada pela AlfaSol no Cefopea

O futuro é hoje para os adultos alfabetizados pela AlfaSol, que passaram este ano pela Associação Reciclázaro. A alegria de começar a “ler o mundo” trouxe essa palavra “futuro” aos lábios de todos eles, não somente pelas competências recém-descobertas, mas porque um desejo se realizou: eles queriam uma escola diferente daquela que ficou “Inacabada” há 30 ou 40 anos…

E foi o que aconteceu. No lugar da continuidade, o conhecimento chegou como novidade, não como objeto de memória. Os depoimentos dos alunos certificados em outubro de 2013, publicados a seguir, estão repletos de expectativas quanto a oportunidades e planos que a educação é capaz de realizar.

O projeto de alfabetização uniu AlfaSol, Instituto Cyrela e Associação Reciclázaro, com aulas em sua unidade no bairro do Belém, zona leste de São Paulo. Os alunos vieram de comunidades ou projetos de reinclusão da Reciclázaro e da rede de proteção social da cidade de São Paulo.

Paulo César França de Souza, 63 anos.

“Parei na 5ª série. Trabalhei em transporte aéreo, no serviço aéreo de emergência. Meu serviço sempre foi assim, nunca gostei de trabalhar preso na firma. Gostava de andar, era ativo, fazia de tudo.
Eu sabia ler e escrever, mas tinha dificuldade. Faltava alguma coisa que só agora percebi. Quero estudar mais um pouquinho e fazer uma faculdade: de Contabilidade! De coração, é a melhor oportunidade que eu tive”.

Leonildo Florêncio da Silva, 54 anos.

“Estou desempregado. Deixei meus estudos eu tinha 14 anos! Filho sem pai, tive que trabalhar como cobrador e abandonei a escola quando estava na 4ª série, sou de Recife (PE). Fiquei 30 anos sem estudar! Tenho dificuldade maior de escrever. Aprendi um pouco, não tudo, mas aprendi.
Moro em albergue e foi lá que eu vi o papel divulgando o curso.
Gostei demais! Aprendi a escrever algumas palavras. Com o estudo eu quero ir atrás de emprego. Vou trabalhar e estudar à noite. Com o certificado, eu já consigo me matricular numa escola”.

Josefa dos Santos, 50 anos.

“Moro em São Miguel, trabalho na Freguesia do Ó, como auxiliar de manutenção.
Quando estudei eu não terminei. Não sabia ler nem escrever. Agora eu escrevo meu nome… Tem várias coisas agora que já dá pra eu saber, que eu estou entendendo.
Agora eu sei que se eu tiver 50 Reais e tirar 10 eu vou na conta de diminuir; se eu colocar 60 eu vou na conta do mais. Então é uma coisa que pra mim foi muito bom.
Melhorou demais! Só de você pegar uma mercadoria e saber direito das coisas… Isso é muito bom!
Pegar condução mudou bastante pra mim também. A coisa mais difícil que tem é você olhar um ônibus e ter que perguntar pros outros!
Agora não! Agora eu vejo e sei qual é!
Quero continuar e chegar até a faculdade. Quero fazer psicologia! Deve ser difícil…eu vou fazer 50 anos e eu tô começando agora.
Tenho só uma filha de 24 anos, tá no último ano de farmácia. Ela acaba e eu começo. Ela me incentiva!
Aqui foram 8 meses de curso: não foi só escola é sim amizade, a convivência, o amor que a gente pega. A professora é como se fosse uma filha pra mim, o amor que ela tem pela gente. Ela ensina a gente a abrir os olhos. Uma coisa é você ir pra escola; outra é você ter essa pessoa te acompanhando.
Lá na frente eu vou falar muito de vocês! É como se eu tivesse meu primeiro aninho e começasse a caminhar!

Sonia Regina Miranda de Almeida Costa, 57 anos.

“Moro na Cidade Tiradentes. Sabia ler e escrever, mas fiquei mais de 15 anos sem estudar e esqueci tudo.
A professora teve paciência, entendeu os problemas da gente. Tudo o que foi de bom a gente tirou.
Leitura eu sei, sou devoradora de livros. Tinha dificuldade em redação e matemática, mas estou bem melhor do que eu estava.
Quero fazer supletivo e depois vou ver o que a vida vai me dar de possibilidades.
Vou ficar com muita saudade”.

Francisco Gerardo Ribeiro, 69 anos.

“Nunca tive oportunidade de estudar. Fiz o Mobral quando eu tinha 23 anos de idade e daí pra cá nunca mais tive chance e fiquei parado. Agora surgiu essa oportunidade. Só lucrei com isso. Pena que acabou. Dei um passo.
Não sabia nada, fiz o Mobral em 1972 e o pouco que eu aprendi eu esqueci tudo. A matemática eu usava no trabalho (restaurante), mas o português não. Agora eu sei mais do que eu sabia antes.
Aprendi a ligar o PC, não sabia; aprendi a navegar na internet e eu não sabia.
Sei procurar o que eu quero.
É o que eu digo pra outros que estão nessa situação: que agarre com as duas mãos!
Quero continuar estudando! Eu gostaria de comprar uma banca de jornal. Tenho esperança de realizar esse sonho.
Meu filho tem faculdade, tenho 4 filhos. Esse ficou orgulhoso quando ficou sabendo que eu voltei a estudar. Ficou orgulhoso quando eu mandei o primeiro e-mail. Isso aqui foi uma escada que me colocou lá em cima”.

Rafael Marques Alves – Analista de responsabilidade social do Instituto Cyrela.

“O Instituto Cyrela tem a preocupação de investir em projetos de educação básica e profissionalizante, principalmente. Em todos os projetos nós temos como objetivo acompanhar no início, com relatórios mensais, visitas e ao final.
Gostei muito do que vi, fiquei impressionado com a evolução deles, principalmente na leitura dos textos e na qualidade dos textos. O depoimento sincero brilhou muito nos meus olhos.
A alfabetização/analfabetismo ainda é um tabu. Precisamos vencer e recebemos um relatório dizendo que cresceu. Nossa parceria tem esse intuito: fomentar cursos de alfabetização, tanto em locais onde a Cyrela atua como com parceiros como o Arrastão e a Associação Reciclázaro. A missão do Instituto Cyrela é apoiar a educação básica no Brasil. O projeto aconteceu pela parceria de todos: AlfaSol, Reciclázaro e o trabalho do Instituto Cyrela. Tudo isso deu um excelente resultado.
É difícil medir o quanto a alfabetização impacta na vida destas pessoas, de muitas que antes eram enganadas, que não se relacionavam bem. Sabemos, porém, que as mudanças acontecem. Quando eu converso com eles, o que eu sinto é isso. Esse é o resultado mais significativo pra mim, com certeza”!